Ir para o conteúdo

Ataque na Nova Zelândia: Facebook e outras redes continuam eliminando mensagens de apoio ao atirador

Redes sociais se mobilizam para eliminar apoio ao terrorismo e cópias dos vídeos transmitidos ao vivo pelo atirador na Nova Zelândia

author,

atirador entrando na mesquita no ataque na nova zelândia
Atirador transmite ao vivo o massacre na internet

Os ataques às duas mesquitas que ocorreram por volta das 13h30 em Christchurch na Nova Zelândia nesta sexta (22h30 da quinta-feira, horário de Brasília) deixou o mundo chocado em um ambiente, principalmente no Brasil, onde ainda se falava sobre a tragédia em Suzano - São Paulo.

São 97 pessoas atingidas pela tragédia na Nova Zelândia, 49 mortos e 48 feridos. Segundo o G1, dos 48 feridos, 20 estão em estado grave.

homem chora após ataque em mesquita na nova zelândia
Sobrevivente do ataque em mesquita na Nova Zelândia - Foto: Mark Baker/AP

O ataque foi transmitido ao vivo no Facebook pelo atirador que tinha uma câmera acoplada na cabeça. A polícia da Nova Zelândia avisou o Facebook logo após o início da transmissão ao vivo que consequentemente exclui a conta e a transmissão ao vivo.

Mesmo com a intervenção do Facebook, o vídeo se espalhou rápido e chegou a diversas plataformas sociais como Tumblr, Instagram, Twitter e WhatsApp.

Na manhã desta sexta o vídeo já era intensamente compartilhado no WhatsApp. No MaisCelular nós recebemos os vídeos por volta das 9h20 com as cenas brutais do atirador entrando em uma das mesquitas.

O Facebook está continuamente colaborando e excluindo informações de elogio e apoio ao ataque terrorista. "Estamos removendo qualquer exaltação ou manifestação de apoio ao crime e ao atirador", disse o Facebook em nota.

O MaisCelular repudia qualquer compartilhamento dos vídeos do ataque em circulação e pedimos aos nossos usuários que excluam os vídeos.

Fonte: G1

Artigos especiais